Cataratas do Iguaçu – Lado Argentino

Depois de termos falado sobre como visitar as Cataratas do Iguaçu – lado brasileiro, nesse post aqui, agora é hora de falarmos sobre o lado argentino das quedas d’água mais bonitas do planeta 🙂

SONY DSC
Cataratas del Iguazu – lado argentino

Como já mencionei anteriormente, os dois lados das Cataratas nos proporcionam experiências incríveis e únicas, e, por este motivo, a visita aos dois é obrigatória. Além de cada lado possuir uma perspectiva diferente das quedas, um acaba complementando o outro, e no final da visita é difícil afirmar qual dos dois é o mais bonito.

SONY DSC
Garganta Del Diablo

As Cataratas del Iguazú ficam localizadas dentro do Parque Nacional Iguazú, na província de Misiones – Argentina, e por mais que ele esteja bem próximo à fronteira, você precisará cruzar a Ponte Tancredo Neves para chegar até lá. Dessa forma, será necessário apresentar seus documentos oficiais, como identidade em bom estado e com menos de 10 anos de emissão ou passaporte. E caso você esteja viajando com menores de idade desacompanhados de um ou ambos os pais, também precisará apresentar o documento de autorização de viagem ao exterior!

O procedimento de imigração na Argentina costuma ser bem rápido, e nas duas vezes que cruzamos a fronteira, houve apenas uma breve checagem de documentação. Mas como eu já falei nesse post aqui, em alta temporada e em feriados nacionais, pode acontecer de criarem-se filas enormes de carros para passar por esse processo imigratório, o que pode prejudicar significativamente o seu passeio. Então não esqueça de levar isso em consideração na hora de planejar o dia da sua visita ao Parque Nacional Iguazú, ok? 😉

Sobre o Parque


O Parque Nacional Iguazú é bem mais roots que o parque brasileiro e, por este motivo, requer um maior esforço físico, sendo as trilhas divididas em três partes: Garganta Del Diablo, Circuito Inferior e Circuito Superior.

DCIM100GOPROG0020090.JPG
Parque Nacional Iguazú

Os ingressos para o Parque, custam, atualmente, 400 pesos argentinos por pessoa, o que equivale a mais ou menos R$ 120,00 (cento e vinte reais), mas é importante frisar que esse valor só pode ser pago na moeda local, sendo necessário que você leve o seu dinheiro já trocado, ou efetue a troca em uma das várias casas de câmbio de Foz do Iguaçu, caso esteja hospedado na cidade.

Como fechamos um pacote de passeios com a taxista Patrícia, o que eu já expliquei no post anterior, nós acabamos trocando nossos pesos com ela, pois o valor do câmbio que ela nos ofereceu era bem vantajoso em relação às casas de câmbio aqui do Rio, sem contar na comodidade e na economia de tempo, que é sempre valiosa em qualquer viagem!

Já no interior do parque, você pode pagar o que consumir em dólares ou em pesos argentinos, entretanto, levando em consideração que o valor de conversão feito por eles é bem alto, nem sempre será vantagem pagar em dólar. Por isso não deixe de fazer o cálculo de conversão no dia da sua visita para decidir qual moeda vale mais a pena utilizar para consumação.

thumbnail_image1

Eu sugiro que você comece seu passeio pela trilha da Garganta Del Diablo, que é a principal atração do local e o ponto alto desse passeio, e depois, então, faça a trilha do Circuito Inferior e em seguida, a do Superior, caso sobre tempo.

Lembrando que o que chamamos de trilha, na verdade, se trata de um caminho por dentro da mata, sobre passarelas de ferro, com alguns poucos degraus, e alguns mirantes ao longo do trajeto. Nós consideramos as três trilhas bem fáceis de se fazer, de nível médio a moderado, demandando pouco esforço físico e alguns quilômetros de caminhada.

parque nacional iguazu map
Mapa do Parque Nacional Iguazú

Para iniciar a trilha da Garganta Del Diablo, você tem duas opções: pegar o trem que parte da Estação Central, de meia em meia hora, em direção à Estação Cataratas, que é onde têm início as trilhas do Circuito Inferior e Circuito Superior, e de onde sai um outro trem com destino à trilha da Garganta Del Diablo.

Ou, se você não quiser perder tempo aguardando esse primeiro trem – que a meu ver é totalmente desnecessário caso você não esteja viajando com crianças, pessoas idosas ou de mobilidade reduzida -, você pode pegar uma pequena trilha que tem início no lado direito do Quiosque de Informações, que te levará direto até a Estação Cataratas, onde  você deve entrar na fila e aguardar pelo segundo trem.

IMG_8538
Chegando na Estação Cataratas pela trilha
IMG_8539
Estação Cataratas
SONY DSC
Trem que leva à Garganta Del Diablo

Após desembarcar na Estação Garganta Del Diablo, você fará uma trilha sobre passarelas de ferro, com duração de mais ou menos uns 20 (vinte) minutos de caminhada, e ao final, se deparará com a queda de maior fluxo de água das Cataratas do Iguaçu – a majestosa Garganta Del Diablo.

DCIM100GOPROG0050102.JPG

SONY DSC

SONY DSC

É realmente impressionante a imensidão da Garganta Del Diablo e é incrível estar bem pertinho de tamanha força da natureza!

SONY DSC

2

Untitled

Ao terminar o passeio pela Garganta Del Diablo, você deve pegar o trem de volta e desembarcar na Estação Cataratas, onde você pode almoçar ou fazer um lanche nos diversos quiosques espalhados pelo local, e depois, seguir para as trilhas do Circuito Inferior e Superior.

Nós escolhemos o Circuito Inferior para dar continuidade ao nosso passeio. Primeiro porque essa era a trilha mais curta, e achamos que seria mais tranquila e mais rápida de percorrer. Segundo porque não sabíamos se daria tempo de fazer as duas, então acabamos optando pelo panorama inferior das Cataratas.

SONY DSC
Início do Circuito Inferior
SONY DSC
E no meio da trilha…

O Circuito Inferior é uma trilha mais plana, sem  muitas subidas e bem curtinha (1,1km), com duração de uns 40 minutos de caminhada, se percorrida calma e parando para fotos nos mirantes do trajeto.

SONY DSC

Depois de terminar o Circuito Inferior e termos considerado o trajeto fácil, nós resolvemos encarar a trilha do Circuito Superior, que, apesar de ser um pouco mais longa (1,4km), também acabou sendo bem tranquila e conseguimos percorrê-la por completo em cerca de uma hora e meia caminhando moderadamente, também com paradas para fotos. Há algumas subidas nesse trecho, mas não é nada que alguém com um pouco de condicionamento físico não consiga fazer indo bem devagar.

SONY DSC

SONY DSC

Eu recomendo que você faça os dois Circuitos, pois eles oferecem panoramas diferentes das quedas das Cataratas. Mas, caso você não tenha tempo e precise escolher entre uma das trilhas, acredito que o Circuito Inferior seja o melhor dentre eles, e o que lhe proporcionará uma experiência mais completa.

DICAS GERAIS:


  • Reserve um dia inteiro para visitar o lado argentino das Cataratas
  • Use roupas e calçados confortáveis, principalmente no lado argentino, pois apesar das trilhas serem sobre superfícies planas, e com poucos degraus, você fará caminhadas muito longas e que requerem o uso de um calçado fechado e sem saltos
  • Leve capas de chuva e capas para seus aparelhos eletrônicos que não sejam à prova d’água, pois você irá se molhar nas Cataratas, principalmente no lado brasileiro
  • Beba bastante água e se hidrate bem
  • Não esqueça o protetor solar e o repelente
  • Não alimente os Quatis, em hipótese alguma, e evite comer perto deles, pois apesar de fofos, eles avançam para pegar comida e suas garras afiadas podem machucar de verdade! Isso serve tanto para o lado brasileiro, quanto para o argentino.

E assim termina nossa visita às Cataratas do Iguaçu, renovados de corpo e alma! Espero que tenham gostado do post! Até a próxima :*)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s